// VINHETA FINAL DE ANO 2017 | FELIZ NATAL E ANO NOVO!

// PLAYLIST DO MÊS | DEZEMBRO // FERNANDO WISSE

#RESENHA | CD | Demi Lovato - 'Confident': legal para o verão, esquecível no inverno


 

 







Ao introduzir seu novo álbum com a faixa-título, Demi Lovato retorna à indústria fonográfica mais confiante do que nunca. Tratado com status de 'marco' na sua carreira assim como o 'Revival' deverá se tornar para Selena Gomez, 'Confident', no entanto, não aproveita seu potencial.

O álbum inicia-se com duas canções muito bem construídas, cheia de texturas. Demi tem momentos suficientes para usar seu vocal de maneira confortável (principalmente na ótima Cool For The Summer). Em seguida, somos levados ao seu primeiro flerte com o hip hop no refrão de 'Old Ways' e às batidas sintéticas, bastante presentes durante boa parte do CD, de 'For You'. Ao chegarmos em 'Stone Cold', porém, fica evidenciado o primeiro problema do 'Confident': ao exagerar nos vocais, abusando de melismas e saltos durante a música inteira, somadas a uma quase forma 'gasguita' de pronúncia das palavras, que pode ser resultado direto de uma respiração não muito aconselhável, Demi ofusca o próprio trabalho.

Com 'Kingdom Come', que tem uma estrutura muito semelhante à 'Chandelier', da Sia, a americana escorrega mais uma vez. A canção, que poderia ser bem aproveitada, nos versos de Iggy Azalea evidencia um grave defeito: a rapper canta quase que de forma 'improvisada'. É que sua parte foi gravada de forma separada. Isso, para quem deseja lançar um álbum que 'marque', é muito questionável. Já que as duas intérpretes aparentemente não poderiam se encontrar para produzir (cantar) a faixa juntas, o que custaria procurar outra solução, quem sabe até outra rapper? Mas não, ao apostar em Iggy apenas pelo apelo comercial que a loira poderia render, Demi é clara sobre o que busca dentro do novo CD. E não é qualidade.

'Waitin For You' é 'batida' (num toque hip hop/pop com harmonia ao fundo) e 'grito', mais do mesmo. 'Wildfire', pelo contrário, soa como um respiro de alívio. A canção brilha junto à linda letra e vai se deixando levar numa progressão interessante. Com vocais mais vulneráveis e sem muitas 'firulas', a faixa se sobressai. Na parte final, é possível ouvir ao fundo um som extremamente agudo: seria Demi fazendo 'voz de apito'? Não é perceptível, mas aparentemente sim, num momento em que esta técnica cabe, vale destacar. 'Lionheart' lembra 'Already Gone', da Kelly Clarkson. Aqui, abusando da 'voz de cabeça' e 'de peito', Lovato encarna perfeitamente o que sugere o título.

Mais algumas faixas (incluindo uma baladinha linda que soa meio gospel, 'Father'), e 'Stars' surge com um instrumental que remete muito ao som de M.I.A., seguida por 'Mr. Hughes', que lembra '...Baby one more time', da Britney. Por fim, o álbum encerra-se com desnecessários DOIS (!) remixes de 'Cool For The Summer' (na sua versão deluxe analisada aqui).

O principal problema do 'Confident' é, sem dúvidas, o vocal. Exagerado, muita vezes 'gritado', 'berrado', não consegue encontrar uma forma 'certa' de entoar as letras. Ao ouvir o CD todo, uma pergunta permanece na cabeça: 'Como ela vai interpretar isso tudo na turnê?'. Vendo suas apresentações ao vivo, fica o medo de que a americana 'exploda' depois da terceira música - 'gritada' - seguida.

Do começo ao fim Demi extrapola, usando muito da sua 'voz de cabeça' e 'de peito', como já evidenciado na descrição da música 'Lionheart'. Com uma dicção por vezes confusa e ainda por cima com seu timbre 'metálico', a cantora perde a oportunidade de utilizar todas as nuances da própria voz de forma mais adequada, 'contida' e inteligente. Além disso, ao trazer à memória durante toda sua audição referências e semelhanças demais, o álbum perde pontos. Tem letras ótimas, momentos épicos, texturas interessantes e combinações que dão certo sonoricamente. Porém, muito aquém do que realmente poderia ser, se torna fosco.

'Confident' soa igual a um ótimo sexo no verão, que aparentemente poderia ser inesquecível, mas que depois de mais alguns e do inverno, se torna apenas boa recordação. Uma pena, lógico, já que Lovato, se utilizasse de todo seu potencial, poderia trazer um som atemporal capaz de soar 'eterno' como um casamento._

Comentários