// VINHETA FINAL DE ANO 2017 | FELIZ NATAL E ANO NOVO!

// PLAYLIST DO MÊS | DEZEMBRO // FERNANDO WISSE

#RESENHA | CINEMA | 'Inferno' parece um filme de Christhopher Nolan, mas sem o apoio da crítica

























Às vezes ser um bom filme não basta para que a crítica americana te dê boas notas. Sendo assim, feito os outros dois longas da franquia que são bastante controversos nas resenhas mundo afora, não seria 'Inferno' o responsável por tornar as histórias do simbologista mais famoso do mundo sucessos também de crítica. Pelo contrário, o resultado entregue pelo bom diretor Hon Howard é recebido com muita má vontade, onde cada defeito é potencializado, exatamente o contrário do que acontece com cineastas como Christopher Nolan, que tem os problemas de seus excelentes, porém não perfeitos filmes, sempre ignorados.

Começando pela fotografia, é um acerto e tanto os tons avermelhados e a presença constante de sonhos sangrentos. O livro apresenta bem esses elementos e todos são muito bem traduzidos em tela. A trilha sonora desenvolvida por Hans Zimmer é outro espetáculo. A trama, no entanto, ainda que fique presa a alguns problemas, ainda assim funciona. E se as primeiras cenas do filme parecem forçadas ao extremo, lá no final compreendemos, graças a Deus, o porquê desta impressão que o longa deixa inicialmente.

Talvez o maior problema de 'Inferno' seja o desenvolvimento confuso de seus personagens ou a forma como a trama progride de uma forma um pouco confusa, além de certos estereótipos que vez ou outra atrapalham. Porém, quando somos levados ao terceiro ato, as reviravoltas e decisões tomadas passam a fazer bastante sentido. É aí que o longa toma contornos semelhantes aos que Nolan, por exemplo, toma. Embaladas por uma trilha potente de Hans Zimmer, as revelações vão ganhando contornos épicos e deixam uma sensação que provoca no espectador reflexão.

'Inferno' é competente, tem boas cenas de ação e se distancia um pouco dos filmes anteriores da franquia por levar à tela elementos novos menos fantasiosos e por investir bastante em ação. Nada de muitos segredos nem grandes descobertas ou conspirações que revelam a verdade sobre a História. Aqui o foco é o futuro, não o passado. Sendo assim, Robert ganha alguns trejeitos de Jason Bourne e corre atrás de impedir uma tragédia de proporções mundiais.

- SPOILER! - O final, que infelizmente é muito, mas muito aquém do que é exposto no livro, pode não funcionar tão bem e causa uma sensação de clichê e de resolução fácil e simples demais. Nas páginas originais, de forma contrária, somos levados uma crítica social pesada e a um desfecho nada otimista capaz de fazer mentes 'explodirem'. Aqui tudo é muito previsível e termina bem, sendo apenas mais do mesmo. Ainda assim, as questões levantadas durante todo o filme vão te fazer sair do cinema pensando acerca da humanidade. E fazer pensar, nos tempos atuais. é sempre um importante passo. 'Inferno' é bom.

Comentários